Publicidade
Notícias
Economía
Cultura
Instituições e Empresas
Personagems
Links
Editorial
Documentos
Cronologías
  Corrupção

O CASO DOS DOIS MILHÕES DE DÓLARES OFERECIDOS PELA REPÚBLICA DA NIGÉRIA
BISSAU 2002
 
O investigador do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP), Faustino Imbali, foi acusado em 2001 e 2002 pelo então Presidente de ter desviado, dois milhões de dólares e que o seu Governo devia justificar 800 milhões de Fcfa.

O investigador do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP), Faustino Imbali, foi acusado em 2001 e 2002 pelo então Presidente de ter desviado, dois milhões de dólares e que o seu Governo devia justificar 800 milhões de Fcfa.

Imbali foi candidato a Presidência da República em 1999 e o terceiro lugar que conquistou aliado ao apoio que deu a Koumba Yalá na segunda volta, valeu-lhe o lugar no Governo de Caetano N´Tchamá, ocupando o lugar de vice-primeiro-ministro, responsável para a área económica e posteriormente ministro dos Negócios estrangeiros.

Com a queda de Caetano N´Tchamá, Faustino Imbali foi nomeado primeiro-ministro. Logo no primeiro mês mandou fazer auditoria a contas do Estado.

Na mesma auditoria concluiu que desapareceram dos cofres do Estado cerca de 800 milhões de Fcfa.

Na altura o primeiro-ministro prometeu que tal devia ser esclarecido, inclusive alguns recebedores do Ministério das Finanças foram parar a prisão, mas a verdade é que ninguém justificou nada.

O assunto pareceu mais sério, quando Koumba Yalá deslocou-se ao Ministério das Finanças na ausência do ministro e ameaçou despedir todos funcionários caso não justificassem o destino de milhões que têm desaparecido nos cofres do Estado.

Disse mesmo, citamos “se o dinheiro não for devolvido vou mandar 90% dos funcionários do Ministério das Finanças para rua. Algumas pessoas vão ter que desaparecer deste Ministério infalivelmente.O país já está farto de ouvir desvios nas finanças”, fim da citação.

Antes de abandonar o Ministério, Koumba Yalá deixou aviso que se o dinheiro não for justificado em 15 dias, o ministro das Finanças e o Primeiro-ministro seriam demitidos.

A ameaça de Koumba Yalá fez com que Faustino Imbali fosse chamado ao Parlamento, onde demonstrou que aquilo que diz não aconteceu no seu mandato.

O Presidente insistiu, mas a questão não chegou ao Tribunal, embora o Ministério Público tenha instaurado o processo.

Passados alguns meses FAUSTINO IMBALI foi demitido alegadamente por ter utilizado de forma ilegal cerca de dois milhões de dólares que a república da Nigéria ofereceu a Guiné-Bissau.

Koumba yalá chegou mesmoa acusar Imbali de corrupto.

Depois de ser posto em liberdade condicional no âmbito do mesmo processo, Faustino Imbali no dia seguinte a detenção recusou voltar as celas, porque considerava os calabouços de desumanos.

O Processo teve contornos graves, e N´Tchamá, acusou na altura Caetano N´Tchamá enquanto Procurador-geral da república como sendo alguém que queria vingá-lo.

A mesma questão meteu em choque o Presidente da República, o Procurador-Geral República e o primeiro-ministro Alamara Nhassé.

Este é um caso de que jamais se fala desde saída do regime.

Faz parte de um outro caso pendente na justiça.
 
Imputados 
Nome
FAUSTINO FUDUT IMBALI    
 

Voltar

 

Guine-Bissau.com - marca registrada.
Não se autoriza a utilização dos nossos conteúdos sem prévio acordo.
BISSAU - GUINÉ-BISSAU
EDITORIAL
  LIBERDADE DE EXPRESSÃO !!
>> ELEIÇÕES 2008
>> ELEIÇÕES 2004
>> OPINIÃO
>> ANÚNCIOS
>> CORRUPÇÃO
>>  AJUDAS INTERNACIONAIS
>>  DOSSIERS
 Arduinna.org